domingo, 5 de julho de 2009

Vila Final

Novamente os rostos rudes do campo.
E depois os góticos da provincia, "vieste à cidade?" diz-me a Ana.
E os metaleiros juntam-se na linha da frente para abanar o cabelo.
Thanatoschizo e depois My Enchantment.
A negra à entrada está irritada comigo por eu ser da imprensa e ela não me governar.
Ai... todas estas pessoas que uma vez me amaram, já não me olham, porque eu desapareci. Fico sozinho a observar a banda, e apetece-me fugir a mil à hora de todos. Bebo à borla com vontade de cuspir tudo.
Ainda não tenho a certeza se ela também veio esta noite, mas alguma coisa na Vila Final a fez refem, e mesmo se não veio, uma parte ficou.
No fim da noite um pastor alemão. As horas de espera.

Os cães uivam em histeria.
Não ha nada aberto.
Volto à estação.
Os cães uivam já roucos.
O pastor alemão passa.
Passado um pouco passa de novo e impossivelmente, na mesma direcção.
Um homem nu (só com tenis desportivos) está num monte de terra que mais parece barro, a sua barba do tamanho do seu cabelo e o seu cabelo comprido. Ao ver-me grita qualquer coisa. Desce como uma cabra. Três cães seguem-no, e quando chega a mim está já a meio de um discurso em voz de noticiario. em inglês ouço "you've never been there... now... I just want to shoot at you!", depois, sem se quedar muito tempo, começa a caminhar em trajectos rectos num perimetro envolta do mesmo centro.

Não percebo como é que tudo isto faz sentido, como é que nada mais faria sentido naquele momento.

2 comentários:

  1. hehehe... lembro-me de me falares dessa noite :)

    have you been there?

    ResponderEliminar
  2. I don't think so.
    I've been the phantom of my own opera.

    ResponderEliminar